quarta-feira, 1 de março de 2017

Os sonhos mais altos só são alcançados com os pés no chão!

domingo, 19 de abril de 2015

A graça

A palavra graça,  significa favor imerecido.  Hoje é comum ouvirmos falar sobre graça.  Porém,  muitos de nós não vivemos essa graça.
A verdadeira revelação da graça é o amor. Aquele que doamos aos necessitados,  aos rejeitados por uma sociedade pobre de amor.
Jesus nos deu o maior exemplo de graça,  e nós não entendemos o real significado dessa palavra
O Amor é a revelação da graça.

Por: Simone Melo

quarta-feira, 14 de março de 2012

Da maldição à bênção: A unção do Gadita

Fui muito edificada com este estudo e gostaria de repartir esta benção:

“Dos gaditas se passaram para Davi, ao lugar forte no deserto, homens valentes adestrados para a guerra, que sabiam manejar escudo e lança; seus rostos eram como rostos de leões, e eles eram tão ligeiros como corças sobre os montes. Ezer era o chefe, Obadias o segundo, Eliabe o terceiro, Mismana o quarto, Jeremias o quinto, Atai o sexto, Eliel o sétimo, Joanã o oitavo, Elzabade o nono, Jeremias o décimo, Macbanai o undécimo. Estes, dos filhos de Gade, foram os chefes do exército; o menor valia por cem, e o maior por mil” (I Cr 12:8-14).
Introdução :
Gade nasce debaixo do discurso da maldição que visita até cinco gerações – a idolatria.
1ª Maldição
Gade foi o sétimo filho de Jacó. “Zilpa, serva de Lia, deu a Jacó um filho. Disse Lia: Afortunada! E lhe chamou Gade” ( Gênesis 30: 10-11). A princípio, pela idolatria de Zilpa, o filho da serva de Lia recebia um nome em louvor a deusa cananita para a prosperidade (“a deusa da fortuna” - Is. 65:11) . Gades, assim, quer dizer: boa fortuna (bem afortunado), e gadita quer dizer próspero aquele que tem o dom da fortuna. Esse filho de número 7 de Jacó, teve também 7 filhos (Gn.46:16), que governaram 7 clãs.
2ª Maldição
Jacó ainda pronunciou outra maldição, de que ele seria perseguido por tropas de guerrilheiros, mas também disse, que por fim ele os perseguiria (Gn.49:19).
O 1°Antídoto profético
Essa maldição foi cancelada na bênção de Moisés: “E de Gade disse: Bendito aquele que faz dilatar a Gade; habita como a leoa, e despedaça o braço e alto da cabeça. E se proveu da primeira parte, porquanto ali estava escondida a porção do legislador; pelo que veio com os chefes do povo, executou a justiça do Senhor e os seus juízos para com Israel” (Dt. 33:20-21).
A tribo que descende de Gade toma posse de um território e ele é dividido em 7 clãs, pois cada um de seus filhos se tornou príncipe de um território (Nm. 26:15-18). Tinha no comando de sua tribo Eliasafe, comandante e representante.
Apesar de ter suprido espias para Canaã, declinou à herança recebendo juntamente com Rubem e a meia tribo de Manasses, o território da Cisjordânia. Ali, conquistaram cidades e as reedificaram (Nm.32:34-38).
3ª Maldição
Vemos no capítulo 22:1-8 do livro de Josué, que o propósito do coração de Gade, Rubem e Manassés era o de ajudar aos seus irmãos. Mas, quando lemos do versículo 9 ao 34, vemos que um incidente trouxe feridas de acusações de infidelidade e divisão entre eles.
Uma atitude mal interpretada pode trazer o desconforto de uma divisão, respaldadas por textos, onde as experiências bíblicas tornam-se argumento de acusação.
Apesar de Finéias, filho do sacerdote ter assegurado que o Senhor estava com eles, que o seu altar era um modelo de fidelidade e não de divisão, essas tribos ficariam distante dos assuntos de Israel e Judá, tornando-se até mesmo em território de refúgio nos dias que Saul perseguia a Davi (I Sm.13:7).
Nesse tempo, gaditas e outros se somaram ao fugitivo Davi e lhe deram suporte até que ele se tornasse o primeiro rei e líder da única dinastia que governou sobre as 12 tribos e com 12 príncipes (I Cr. 12:1,8-15, 37,38).
O 2°Antídoto profético
Quando chegamos à altura do texto do primeiro livro de Crônicas, percebemos o que a unção gadita fez com seu povo e com o fugitivo Davi:
- Gades se uniu a Davi quando ele era um fugitivo na terra, e ficou com ele até que se tornasse no rei mais importante e poderoso de seus dias;
- Gades deu refúgio a Davi e aos seus também perseguidos “candidatos” a valentes;
- Gades se uniu a Davi no deserto, e transformou com sua fidelidade e bravura, a caverna da vergonha e da dívida, na “fortaleza do deserto” .
- Os bravos de Gades estavam dispost os a darem suas vidas , por amor a Davi (a água do poço da entrada de Belém);
- Os gaditas tornaram-se administradores de todos os negócios do rei e da casa do Senhor: I Cr.26:32 “Seus irmãos, homens valentes, dois mil e setecentos, chefes das famílias; e o rei Davi os constituiu sobre os rubenitas, os gaditas e a meia tribo dos manassitas, para todos os negócios de Deus e para todos os negócios do rei”. Uma unção de empresariado empreendedor, que é um referencial para os negócios de Deus e os negócios temporais.
Vemos que, ainda que Gades tenha recebido o seu nome por uma motivação equivocada de sua mãe, a serva da esposa não desejada, Deus converte a vergonha em dupla honra, a proposta do caos na realidade profética redentiva.
- A unção do Gadita é a unção para a conquista e restauração de territórios. Territórios amaldiçoados pela idolatria tornar-se-ão o epicentro de avivamentos!
- A unção do Gadita vem com o escudo da fé e a ponta de lança profética, que fará conquistar primeiro.
- A unção do Gadita lhe dá rosto de leão no momento da peleja.
- A unção do Gadita lhe dá pés de corça no momento do livramento. Em En-Gedi, Davi recebeu essa unção quando era perseguido pelos exércitos de Saul, e saltou sobre as pedras e aquele lugar passou a se chamar “rocha de livramento” .
- A unção do Gadita que maximiza a conquista faz com que o menor tenha o valor de 100 valentes e o maior valha por mil. Conquistadores de centenas e de milhares! “O menor virá a ser mil, e o mínimo uma nação forte” (Is 60:22).
- A unção do Gadita é uma unção administrativa e de prosperidade.
- A unção do Gadita adestra e equipa um verdadeiro exército de valentes.
Conclusão
Oficialmente não consegui provar uma ligação entre o povo de Gadara e os Gaditas, a não ser que este fora um território ocupado pela tribo de Gades (Josué 13:24-28). Era agora, uma das cidades da grande Decápolis a 10km a sudeste do mar da Galiléia.
Bem, desse pequeno distrito surgiria uma figura pouco observada no que diz respeito, a maldição que é convertida em bênção. Conhecido como “ O endemoniado de Gadara ”, ou ainda “endemoniados gadarenos” como afirma Mateus 8:28 . Dando a entender que era um mal coletivo e não particular. Jesus liberta aquele homem de cadeias e algemas que os demônios nunca o permitiram se ver livre. E depois, resiste ao seu apelo para que o seguisse e manda que ele volte a sua casa e parentela, e lhes ministrasse a experiência que havia recebido (Mt.8:28; Mc.5:1; Lc.8:26).
Vejo aqui a Unção do Gadita sendo liberada por Jesus
Assim como Davi foi um instrumento para que os Gaditas finalmente tomassem parte da herança em Canaã e de seu reino, Jesus quer que você e eu sejamos hoje livres de toda cadeia e algema de maldição. Ele nos diz: Vocês são prósperos! Não porque Mamom diz, mas porque eu disse!
E mais do que isso, quer que nossa casa passe por toda essa experiência!
Hoje, Deus precipitará no abismo do mar, toda imundícia (porcos em Israel eram sinal de maldição) que nos separa de nossa herança.
A unção do gadita será liberada sobre você, convertendo toda fortaleza de dívida e perseguição, em uma fortaleza intransponível.
Com os gaditas, Davi conquistaria a fortaleza dos Jebuseus, edificaria um altar na antiga eira de Araúna, e selaria, assim, a sua prosperidade (II Sm 24:10-25). Ali, depois de advertido por um profeta Gadita, Davi converte a maldição em bênção, não permitindo que a avareza lhe impedisse de pagar um alto preço, por sua oferta no altar do Senhor.
A unção do Gadita arrancará de nosso coração todo sentimento de autocomiseração, de necessidade, todo espírito de ‘vitimismo' e nos dirá que somos prósperos. Por isso, ofereceremos do fruto da nossa prosperidade e conquista ao Senhor.

Créditos:Pr. Vladimir Soares

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Crucificação: 7 razões da cruz


A cruz é o centro da fé. A cruz é a graça inaugurada.
A cruz deve ser o centro de nossa vida, se queremos que a graça nos seja suficiente.
Há um hino que afirma: “Eu amo a mensagem da cruz”. E que mensagem é esta?

1. A cruz nos mostra que nosso pecado nos separa de Deus.
Isaías disse aos seus contemporâneos: “as suas maldades separaram vocês do seu Deus; os seus pecados esconderam de vocês o rosto dele, e por isso ele não os ouvirá” (Isaías 59.2).
Na verdade, esta era a situação da humanidade até Jesus fincar no Calvário a cruz e morrer nela. Aprendemos na Bíblia que o nosso pecado original nos separa totalmente de Deus, até que nos arrependamos. Também aprendemos que o nosso pecado atual se nos separa de Deus, até que o confessamos e somos perdoados.

2. A morte de Jesus na cruz foi uma necessidade, para pôr fim à ira de Deus, que alcançou plenamente seu objetivo: o de nos permitir a paz com Deus.
Com isto, a “ira de Deus” (a rejeição divina ao pecado humano) foi aplacada (tornada sem efeito, pela própria vontade e providência de Deus). Por isto, “quem crê no Filho tem a vida eterna; já quem rejeita o Filho não verá a vida, mas a ira de Deus permanece sobre ele” (João 3.36). Na cruz, “Cristo nos amou e se entregou por nós como oferta e sacrifício de aroma agradável a Deus” (Efésios 5.2). Desde então, “tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” (Romanos 5.1).

3. Na cruz Deus se identifica conosco.
O Pai se torna humano e sofre a nossa dor. A morte do Filho foi algo real e não uma representação.
Jesus no jardim Getsêmani, orando, é Deus se identificando conosco. Choramos? Jesus chorou. Tememos? Jesus temeu. Sentimo-nos abandonados? Jesus se sentiu abandonado. Somos atacados, açoitados, magoados? Jesus foi atacado, açoitado, magoado.
O Deus que se inclina, como aprendemos no Antigo Testamento (Daniel 9.18), se identifica com a nossa dor. A explicação para o sofrimento humano, como o experimentado por Jesus e por todos os seres humanos, não é uma explicação: é uma vivência divina. Deus viveu o nosso drama. Ter um Deus que sofre conosco é a mensagem da cruz.

4. Devemos morrer em Jesus, aceitando o seu sacrifício por nós.
Na cruz, “Deus ofereceu [Jesus Cristo] como sacrifício para propiciação mediante a fé, pelo seu sangue, demonstrando a sua justiça” (Romanos 3.25a).
Aceitamos seu sacrifício quando confessamos o nome de Jesus como nosso Salvador (renúncia) e Senhor (compromisso). O que devemos é, “por meio de Jesus”, oferecer “continuamente a Deus um sacrifício de louvor, que é fruto de lábios que confessam o seu nome” (Hebreus 13.15).

5. Devemos nos santificar permanentemente.
“Fomos santificados, por meio do sacrifício do corpo de Jesus Cristo, oferecido uma vez por todas”. Por isto, “se continuarmos a pecar deliberadamente depois que recebemos o conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados, mas tão-somente uma terrível expectativa de juízo e de fogo intenso que consumirá os inimigos de Deus” (Hebreus 10.10, 26-27).

6. Devemos dizer que está doendo quando está doendo.
Diante da história de cruz, devemos ter a mesma atitude de Jesus diante do sofrimento. Ele, que pediu “passe-me” e disse que estava pronto, enfrentou o sofrimento, experimentando-o e gritando que doía.

7. O Deus que abandonou Jesus não nos abandona; logo, podemos confiar nEle, buscar por Ele, esperar nEle.
Por um instante, Deus abandonou Jesus por causa do nosso pecado, mas aquele abandono se tornou vicário e não somos mais abandonados. Depois, Deus providenciou o cuidado pleno para Jesus, com seu corpo sendo perfumado, até ter ressuscitado e levado ao céu, onde está exaltado à direita de Deus, intercedendo por nós.
Então, tudo podemos em Jesus (Filipenses 4.13).

Israel Belo de Azevedo

Leia Mais: http://padom.com.br/crucificacao-7-razoes-da-cruz/#ixzz1K7dx28IY

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

POR QUE?


MUITOS SE PERGUNTAM: POR QUE DEUS PERMITE QUE ACONTEÇAM TANTAS TRAGÉDIAS? ESQUECEM QUE A RESPOSTA PARA ESTA E OUTRAS PERGUNTAS SÓ SE OBTÉM QUANDO O SER HUMANO RECONHECE QUE É CRIATURA DE UM DEUS DONO DE TUDO. UM DEUS QUE RESPEITA NOSSAS VONTADES, MESMO QUE ELAS SEJAM A NOSSA RUÍNA.
DEUS É O MESMO ONTEM, HOJE E SEMPRE! AS PESSOAS MUDARAM, ESQUECERAM DAQUELE QUE DEU SEU ÚNICO FILHO PARA NOS SALVAR. UM PAI NÃO SE ESQUECE DOS SEUS FILHOS, MAS EXISTEM FILHOS QUE ESQUECEM SEUS PAIS. E A PARTIR DO MOMENTO QUE UM FILHO ATINGE A MAIOR IDADE,ACHA QUE JÁ É DONO DE SI. FAZ SUAS PRÓPRIAS ESCOLHAS E ELAS SEPARAM AMBOS CADA VEZ MAIS.
ASSIM ACONTECE EM NOSSAS VIDAS, DEUS NÃO NOS DEIXA, NÓS O DEIXAMOS, ACHANDO QUE SOMOS AUTOSUFICIENTES PARA LEVAR UMA VIDA DE INDEPENDÊNCIA. DEUS SEM NÓS CONTINUA SENDO DEUS, MAS NÓS SEM ELE NÃO SOMOS NADA.
A HUMANIDADE SE ESQUECEU DE DEUS E AINDA QUER CULPÁ-LO PELAS COISAS RUINS QUE ESTÃO ACONTECENDO ATUALMENTE. DEUS JAMAIS ABANDONA UM FILHO SEU, ELE SIMPLESMENTE RESPEITA AS ESCOLHAS DO HOMEM.

SIMONE MELO